Resumo do curso

Tipos de curso Bacharelado e Tecnólogo

Quanto tempo dura em média, 4 anos

Área de Conhecimento Ciências humanas

Estágio Não obrigatório

Como é o curso de Relações Internacionais?

Como é a faculdade?

No curso de Relações Internacionais, os alunos são capacitados para trabalhar com negociação, formulação de políticas e análise de conjunturas internacionais. Aprendem a analisar e compreender as tendências das relações entre países e de construir cenários, para que possam conquistar mercados, conciliar culturas, recuperar perdas e facilitar negociações entre adversários.

 

Ao final da graduação, o aluno se qualifica a estudar, analisar e conduzir relações entre povos, nações e empresas nas áreas política, econômica, social, militar, cultural, comercial e do Direito. A formação em Relações Internacionais está baseada em multi e interdisciplinaridade, favorecendo a atuação nas negociações por meio de análises de questões que envolvam as partes.

Como é o mercado?

O profissional de Relações Internacionais pode trabalhar como diplomata, na política internacional, com análise de conjuntura econômica e social, planejamento estratégico, inteligência competitiva, assessoria de governos e empresas, negociações internacionais, análise de riscos políticos, pesquisa acadêmica, consultorias estratégicas e operações financeiras internacionais.

Seu ambiente de atuação costuma ser em ministérios, embaixadas, ONGs, empresas privadas e públicas.

O que você irá aprender?

O curso de Relações Internacionais deve oferecer quatro eixos temáticos de conteúdos básicos, sendo eles Formação Estruturante, Formação Interdisciplinar, Formação Profissional e Formação Complementar, conforme a indicação das Diretrizes Curriculares Nacionais do Ministério da Educação (MEC)

O eixo de Formação Estruturante deve conter as disciplinas Teorias das Relações Internacionais; Segurança, Estudos Estratégicos e Defesa; Política Externa; História das Relações Internacionais; Economia Política Internacional; Ciência Política; Direito Internacional e Direitos Humanos; Instituições, Regimes e Organizações Internacionais.

O eixo de Formação Interdisciplinar traz conteúdos interdisciplinares, envolvendo Ciências Sociais; Economia; Direito; Filosofia; Sociologia; Antropologia; Geografia; Estatística Metodologia; Ética.

O eixo de Formação Profissional consiste em estudos e atividades práticas, como atividades laboratoriais de simulações, construção de cenários prospectivos, análise de conjuntura. Há também conteúdos relacionados a aspectos interculturais e ao aprimoramento de habilidades interpessoais.

Por fim, o eixo de Formação Complementar oferece participação em seminários extracurriculares, estágios, palestras, conferências, grupos de pesquisa e eventos científicos e culturais.

Cada instituição de ensino também pode definir programas pedagógicos específicos a seu critério, com a Linha de Formação Específica.

Como é a rotina?

O internacionalista trabalha com análise de cenários, elaboração e execução de projetos de pesquisa econômica, política, social e de mercado.

Ele também pode participar de planejamentos estratégicos e de curto prazo, avaliando políticas de impacto coletivo para o governo, ONGs e outras organizações.

Quais são as áreas de atuação?

O profissional de Relações Internacionais pode atuar na diplomacia, como é mais conhecido, mas não apenas.

Ele encontra espaço em empresas das diversas atividades econômicas, podendo prestar assessoria ou consultoria e trabalhar em institutos e centros de pesquisa, ou dar aulas.

Quais são as habilidades exigidas?

As principais características do profissional de Relações Internacionais, listadas pelo Ministério do Trabalho, são:

  • Manter-se atualizado;
  • Subsidiar decisões;
  • Trabalhar em equipe;
  • Transmitir conhecimentos;
  • Capacidade de liderança;
  • Julgamento crítico;
  • Formular conceitos abstratos;
  • Raciocínio lógico;
  • Criatividade;
  • Aplicar métodos quantitativos;
  • Capacidade verbal para línguas estrangeiras.

Quais são as exigências do mercado?

O internacionalista deve ter diploma em curso reconhecido pelo MEC, ou em áreas semelhantes, como Ciências Econômicas e Comércio Exterior. Outra possibilidade é também fazer pós-graduação ou especialização na área de Relações Internacionais. O exercício pleno das funções ocorre após um ou dois anos de experiência na área.

Não é exigido registro no conselho profissional, a menos que a atuação ocorra em áreas como Economia e Administração, em que essa regularização pode ser pedida.

Caso o estudante opte pela carreira de diplomacia, é necessário curso superior em qualquer área do conhecimento e aprovação no concurso público realizado pelo Instituto Rio Branco, órgão responsável pela formação dos diplomatas brasileiros e ligado ao Ministério das Relações Exteriores.

 

Nota de corte para o curso de Relações Internacionais

Sabia que, utilizando apenas o seu resultado do Enem, você pode entrar em diversos cursos de universidades federais, estaduais e privadas?

 

Para ajudar o estudante a entender as suas possibilidades, o Quero Bolsa desenvolveu o Simulador de Nota de Corte. O sistema reúne os dados das últimas provas e mostra o desempenho mínimo para conseguir uma vaga em um dos programas educacionais do governo.

Veja vagas exclusivas no Quero Bolsa